Entrada por trás foi criminosa

A entrada que sofreu o atacante Diego Ribas do Flamengo pelo jogador Dixon Aroyo do Emelec no segundo tempo, no Equador, na primeira partida das oitavas de final da Libertadores causou uma lesão muito grave.

A falta não gerou por parte do arbitro nem do VAR a expulsão do jogador do Equador, o que vem a provar a ineficiência do VAR.

A gravidade da lesão foi tão grande que o jogador Diego Ribas só voltará aos gramados em 2020. Uma cirurgia que demorou quase três horas. O procedimento cirúrgico foi para atender o jogador que teve uma fratura com lesão ligamentar no tornozelo esquerdo, e de acordo com o médico rubro-negro Márcio Tannure, Diego Ribas ficará afastado dos gramados entre quatro e cinco meses. Só devendo jogar pelo Flamengo no Ano de 2020.

O médico rubro-negro Márcio Tannure informou que:

– A cirurgia do Diego terminou agora, lembrando a vocês, como falamos anteriormente, que é uma cirurgia complexa, considerada uma cirurgia grave. Foi realizada a sutura do ligamento, a fixação da fratura da fíbula. A previsão da alta dele é amanhã no fim do dia se tudo estiver bem, ou no sábado pela manhã. A gente espera que amanhã (sexta-feira) ele já consiga dormir em casa. Nos primeiros 15 dias ele vai ficar em casa, não pode colocar carga, ou seja, não pode pisar ainda, e a partir daí inicia a fisioterapia no CT, sendo que a gente vai ter um fisioterapeuta indo na casa dele para já estar tratando lá. Como é uma lesão grave, complexa, o prazo de retorno é no mínimo de quatro meses. A gente vai fazer de tudo para que isso aconteça, acelerar o máximo, mas é uma lesão realmente que precisa de um prazo maior. A média é de quatro a cinco meses para que possa voltar aos jogos – disse Tannure.

O fotógrafo oficial do Flamengo, Alexandre Vidal, registrou em sequência as imagens da entrada do equatoriano. Veja abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *