Assassinos e Monitoramento Municipal

Com um alto investimento e muita divulgação foi anunciado o monitoramento municipal público na cidade no mandato do prefeito anterior André Granado. Inicialmente uma fatia da população ficou apreensiva por uma possível perda de liberdade, principalmente para os que gostam de comprar e usar sem ser notado, e a ideia de ser monitorado assustou a muita gente da Cidade da Armação.

Com o passar do tempo, ninguém sentiu qualquer incomodo do tal monitoramento, que no bairro de Cem Braças chegou a ser destruído, sendo o ato atribuído ao tráfico de drogas, o que serviu de discurso político para o candidato da esquerda Sargento Leandro, que concorria a prefeito pelo PDT na época. Passou as Eleições de 2020, e apesar de várias denuncias normais dentro do pleito, nada foi registrado pelo serviço de monitoramento.

Agora no ano de 2022, um assalto em uma drogaria no bairro de Manguinhos, poderia ter sido resolvido se as câmera municipais tivessem funcionando, pois os assassinos do proprietário da drogaria, fugiu sem que nenhuma imagem sua tivesse sido registrada ao logo do seu percurso de fuga.

Na ocasião o enfasebuzios.com.br procurou o setor de Monitoramento Municipal que informou que as imagens eram confidenciais, e por sigilo das investigações não poderiam ser colocada a disposição da imprensa; fato esse que causou perplexidade, uma vez que todos nós estamos acostumados a ver nos noticiários de TV diversos crimes, e as imagens das câmeras de monitoramento sendo repassadas ao jornalismo e  servindo para que a população possa fazer denuncias o que ajuda em muito o desvendar e a prisão de criminosos.

Novamente agora estamos diante de mais um crime que as imagens do Serviço Municipal de Monitoramento, poderiam ter impedido ou ajudado a impedir que Pamela tivesse seus dias interrompidos de forma cruel. A moça de 26 anos sai do seu trabalho ao fim da tarde e em plena Rua das Pedras, e se as câmeras tivessem funcionando poderiam ter registrado a movimentação da vitima e do criminoso. Na verdade, se esse serviço fosse uma realidade, criminosos teriam medo e não agiriam com tanto conforto. Finalizando, se esse serviço existisse para a população de Armação dos Búzios, as imagens seriam apresentadas, o serviço de Monitoramento seria de fácil acesso aos meios de informação e notícias. A verdade é que pelo quadro apresentado até o momento o que percebemos é mais um engodo de um Sistema Político Administrativo que tem que ter FIM.

Abaixo citaremos dois dos muitos casos que aconteceram em Armação dos Búzios, e que nenhumas dessas pseudas imagens captadas pelo Serviço de Monitoramento Municipal foram repassadas ao jornalismo aos veículos de mídia.

Caso Pamela

No dia 19 de março de 2022, foi localizado o corpo da jovem Pamela Santos Carvalho, de 26 anos, que estava desaparecida desde a noite do último dia 11, depois de sair do trabalho, na Rua das Pedras, em Armação dos Búzios. Após oito dias de buscas, o corpo de Pamela foi localizado na Lagoa da Ferradura, segundo informações, por agentes da Romu e da Guarda Municipal de Búzios. A confirmação da identidade foi feita por parentes da vitima junto ao Corpo de Bombeiros e o corpo foi removido para o IML de Cabo Frio.

Caso Sr, João da Farmácia

No dia 14 de fevereiro de 2022, de acordo com informações da Polícia Militar, dois homens em uma moto realizaram o assalto na drogaria que fica na entrada da Rua Celeste da Costa, na Avenida José Bento Ribeiro Dantas em Manguinhos, bairro de Búzios por volta das 22h. O Sr. João reagiu ao assalto e foi baleado pelos elementos. O empresário foi socorrido pelos Bombeiros da cidade, conduzido ao Hospital Municipal Rodolpho Perisse, porém não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.

Para finalizar essa matéria deixamos algumas perguntas que nos deixa estarrecidos:

1) Por que o Serviço Municipal de Monitoramento Público de Armação dos Búzios, não é aberto ao jornalismo e a mídia local e/ou estadual?

2) Se as imagens capitadas na ocasião do assalto a Drogaria em Manguinhos, que levou o proprietário a morte estavam em sigilo investigativo, qual o resultado?

3) Por que as câmeras municipais não registram imagens?

4) Até quando nós moradores vamos aceitar essa condição de enganados?

Um Serviço de Monitoramento Municipal Publico é de grande valia a população e não pode ser guardado e impedido de ser visto e conhecido por seus moradores, jornalismo local e veículos de mídia. A visitação é uma forma de fiscalizar sua existência real e sua eficácia. A blindagem exercida sobre o setor e suas pseudas imagens capitadas e sigilosas, não fazem parte de uma realidade nacional, onde imagens de crimes são regurlamente repassadas para o jornalismo e veiculo de mídias.

Esse Setor deveria ser aberto ao Público, ao Jornalismo e aos Veículos de Mídia, assim poderíamos certificar sua realidade e eficacia. A foto é uma Imagem Promocional da época de implantação anunciada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *